Banho Frio não cura Gagueira – Fonoaudiólogo e Professor de Oratória Simon Wajntraub

banho-frio-cura-gagueira

Numa consulta a um paciente do Paraná, soube que o seu pai o forçava a tomar banho frio diariamente, até no inverno. Pessoal, simpatia não cura gagueira!

No dia 1 de dezembro 2010, eu estava realizando uma consulta com um paciente do Paraná (que trabalha com BPM), e fiquei perplexo quando ele comentou que o seu pai criara um hábito de forçá-lo a tomar banho frio diariamente, inclusive no inverno, para curar a sua gagueira na marra, provocando um susto contínuo com a água fria. Ele está com 53 anos e ainda carrega esse forte trauma do banho gelado no inverno.

É lógico que, com essa forçação de barra, a gagueira só iria piorar, e foi o que aconteceu.

Hoje ele é um alto executivo de uma empresa, mas na hora de se expor em público a gagueira se agrava e prejudica muito a sua apresentação. O seu grande mérito é que, apesar das dificuldades na comunicação oral, ele se formou em engenharia e dirige uma empresa muito bem sucedida.

Este caso serve para alertar os gagos acomodados, que só vivem culpando pelos seus fracassos na área estudantil e profissional o problema na fala.

Agora também me lembrei dos pais malucos que insistem em dar sustos no filhos achando que com isso eliminarão a gagueira deles; dão até paulada na cabeça dos filhos: aí eles continuam gagos e adquirem taquicardia ou até infartados e ficam com a cabeça quebrada. Pessoal, uma dica que vocês já deveriam ter a certeza: simpatia não cura gagueira!

Cursos e tratamentos online ou presenciais para todo o Brasil e Exterior.


Tratamentos presenciais e online para todo o Brasil e Exterior.

Unidades e Contatos:

WhatsApp (21) 97273-2041

Rio de Janeiro – RJ:

Copacabana e Barra

(21) 2236-5223

São Paulo – SP: Jardins

(11) 4063-6460  / 4063-4735

Brasília – DF: SHS

(61) 4063-6352  / 4063-6392

Email: simon@boasfalas.com.br


Fique atualizado, inscreva-se:

                                              


Para informações, nos envie uma mensagem de contato.
Não se esqueça de detalhar quais são as suas dificuldades de comunicação: voz, fala, timidez, etc..

Nome*

E-mail*

( DDD ) + Telefone*

Cidade*

UF*

Assunto

Descreva as suas dificuldades

Clique em enviar e aguarde o nosso contato