Fonoaudiólogo afirma que há cura da timidez

Fonoaudiólogo e Professor de Oratória, Simon Wajntraub afirma que há a cura da Timidez.

Fonoaudiólogo Simon Wajntraub afirma que pode curar a timidez.

BRUNO PONTES

Fonte: Jornal do Brasil
JB Online, Ciência & Tecnologia: 11/12/2007

RIO – Quem nunca se viu nervoso, momentos antes de uma apresentação em público, seja nas épocas de colégio, ou em uma palestra em seu trabalho? A origem deste trauma se chama timidez, e embora seja motivo de preconceito e exclusão por parte da sociedade, é um mal que ainda aflige muitas pessoas dentro do seu ambiente social, prejudicando relacionamentos amorosos, familiares e até o próprio ambiente de trabalho.

Para falar sobre o assunto, o JB Online conversou com o fonoaudiólogo Simon Wajntraub, responsável por um revolucionário método que promete diminuir consideravelmente a timidez crônica e a inibição de se falar em público, a cura da Timidez.

Wajntraub, que teve destaque ao participar do “Programa do Jô”, explica as dificuldades que seus alunos têm, além de outros casos desconhecidos pela população, mas que têm relação direta com a timidez.

JB ONLINE: Quando você descobriu que seria fonoaudiólogo e quando surgiu a idéia de se fazer um programa que tratasse diretamente da timidez e dos problemas de fala?

Simon Wajntraub: Iniciei minha pesquisa dentro da comunicação oral desde muito novo, com apenas sete anos de idade, eu já conseguia imitar vários tipos de vozes diferentes. Aos 13 anos, com a minha tonalidade de voz sempre mais voltada para o grave, aproveitava para imitar vários locutores de rádio da época, e no mesmo período me tornei locutor profissional.Quando eu tinha 18 para 19 anos, meu cunhado sofreu um acidente e após sair do coma ficou com a fala comprometida e embolada. Comecei, a partir da minha relação de proximidade com ele, a elaborar um método de tratamento e de estudo a partir do caso clínico dele, tendo conseguido recuperá-lo em pouco tempo, sem usar as técnicas antiquadas e arcaicas que os profissionais da fonoaudiologia utilizam até hoje. Quando entrei para a faculdade de Fonoaudiologia, eu já estava atuante na profissão há mais de quatro anos, e o curso ainda não tinha reconhecimento do MEC, por isso decidi continuar apenas para consolidar meus conhecimentos na área médica, já que a parte de fonoaudiologia em si não era mais novidade para mim. A idéia de se criar este meu famoso método foi crescendo comigo, conforme fui me desenvolvendo dentro da profissão. Meu lado rebelde e anarquista sempre me fez questionar as coisas, e em relação aos métodos arcaicos dos profissionais tradicionais não foi diferente. Vi que tinha que trabalhar o emocional dos pacientes, fazer com que as pessoas enfrentassem os seus problemas diretamente, frente a frente com eles, para que assim toda a insegurança e traumas que a pessoa tivesse fossem superados, desta forma criamos o sistema da argumentação sobre pressão, que vem beneficiando muitas pessoas.

JB ONLINE: Que tipos de pessoas procuram seus serviços?

Simon Wajntraub: Todos que buscam uma solução para seus problemas que durante muitos anos não foram resolvidos por tratamentos psicológicos, nem análises, nem com médicos otorrinos.Os pacientes variam desde estudantes a diretores de multinacionais e políticos, como o deputado índio da Costa, e o senador Edison Lobão que quase chegou a perder sua voz.

Tratamos a todos como iguais, utilizando recursos que quebram todo e qualquer tipo de hierarquia, pois todos estão ali pelo mesmo objetivo comum: resolver seus problemas de inibição, timidez ou de fala através da nossa terapia comportamental que de tanto o cara enfrentar o problema, acaba perdendo o medo.

JB ONLINE: Quais os frutos que podem ser citados após 40 anos de sucesso nesta revolucionária técnica?

Simon Wajntraub: São tantos que poderia ficar falando até amanhã. O primeiro com certeza é a recompensa de ver muitos pacientes que tinham dificuldades sérias – que os atrapalhavam no convívio social e até dentro do próprio trabalho – estarem curadas e com a autoconfiança renovada. Muitos destes pacientes ficam tão gratos pela cura que obtiveram com o tratamento, que passam a me ajudar nos cursos e palestras, agindo como “alunos-veteranos”, ajudando no processo de cura com os novos pacientes em seus problemas. Alguns desses alunos-veteranos (junto com empresários) também já abriram franquias do nosso programa, nas quais eu vou auxiliando com o método.Todos os eventos que eles fazem eu sou chamado para colaborar. O sucesso do programa também está alcançando distâncias maiores, que vão além dos lugares de onde o curso é ministrado. Com isso, passamos a atender também de forma on-line, pelo MSN Messenger e pelo Skype. O sucesso do site (www.boasfalas.com.br), que tem recebido cerca de mil acessos por dia, também é um fruto das nossas quatro décadas de um trabalho bem sucedido, que já atendeu e ajudou mais de 30 mil pessoas em todo o Brasil.